Skip to content

Viúva de bancário não receberá auxílio-alimentação vinculado ao salário mínimo

2 minutos de leitura
2 minutos de leitura

Viúva de bancário não receberá auxílio-alimentação vinculado ao salário mínimo

Norma do banco que previa o recebimento foi revogada e contrariava súmula do Supremo Tribunal Federal. O Se Liga Trabalhador está sempre atento às decisões do Supremo e do TST, acompanhe na íntegra a publicação feita pelo Tribunal Superior do Trabalho.

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho deu provimento ao recurso da Caixa Econômica Federal para indeferir à viúva de um bancário a volta do recebimento do auxílio-alimentação calculado com base no salário mínimo. Ela questionava o normativo do banco que havia alterado a forma de cálculo e obtido, no juízo de segundo grau, o restabelecimento do método antigo. Mas, segundo a Turma, a decisão violou a Súmula Vinculante 4 do Supremo Tribunal Federal, que impede a vinculação ao salário mínimo, salvo em casos determinados pela Constituição.

Vinculação

O direito ao auxílio-alimentação correspondente a 105% do salário mínimo estava previsto na Circular Normativa 83/1989 da Caixa. O documento também estipulava que, no falecimento de empregado/aposentado, o auxílio-alimentação seria dividido proporcionalmente entre os dependentes, de acordo com o percentual fixado pela Previdência Social para o pagamento da pensão.

No entanto, em normativo de 1995, a Caixa determinou que o valor do auxílio passasse a ser estabelecido em acordo coletivo de trabalho (ACT). A viúva relatou que, a partir disso, o benefício sempre ficou aquém do que era pago com base na circular de 1989 e pediu o pagamento das diferenças.

Diferenças

O juízo da 42ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro julgou improcedente o pedido, com o fundamento de que os acordos coletivos teriam validado a mudança. No entanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) determinou o pagamento das diferenças, por entender que a mudança implicou alteração contratual lesiva ao então empregado. As mudanças prejudiciais no contrato de trabalho são vedadas pelo artigo 468 da CLT.

STF

Para o relator do recurso de revista da Caixa, ministro Augusto César, a decisão do TRT violou a Súmula Vinculante 4 do STF. Conforme a súmula, salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado nem ser substituído por decisão judicial. “A matéria está pacificada no TST, considerando-se que contraria a jurisprudência do STF no tocante à vinculação do valor do auxílio-alimentação ao salário mínimo”, concluiu.

A decisão foi unânime.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Você também pode gostar

Giovanna Hatsunoma

Controlar uso de banheiro, pode?

Um dos temas mais polêmicos da relação entre patrão e empregado é a limitação e controle do uso do banheiro no ambiente de trabalho. Parece

Giovanna Hatsunoma

Corona vírus e Seguro Desemprego

Pela pandemia do coronavírus (Covid-19) – que causou a recomendação da Organização Mundial da Saúde  de que as pessoas permaneçam em casa –, muitos empregadores e estabelecimentos comerciais dispensaram seus

Giovanna Hatsunoma

Preciso deixar meu emprego para me aposentar?

A aposentadoria de empregado do setor privado, regido pela CLT, não encerra seu contrato de trabalho. Dessa forma, o trabalhador que mantém vínculo de emprego com empresa

Giovanna Hatsunoma

O feriado caiu no sábado, e agora?

A CLT, em seu artigo 59, parágrafo 2º, permite que, por força de acordo ou convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas realizados em

Chamar um advogado
Olá, preciso da ajuda de um advogado!